Coryanthes leucocorys

 

A motivação para aula de hoje vem de muito longe, algo em torno de 4 mil quilômetros de distância (isto em linha reta, porque por estrada são mais de 6 mil). Vem lá da região noroeste de nosso continente, mais especificamente da Província de Loja, localizada no sul do Equador.

A inspiração surgiu de imediato, duas semanas atrás, quando vi no Facebook lindas fotos de uma orquídea fantástica. Uma exuberante planta pertencente a um dos gêneros mais interessantes da família Orchidaceae, e quiçá de todo o reino Plantae.

Estas fotos são do agora amigo Favian Apolo, proprietário do “Orquideas San Miguel”, que fica na citada província, e que gentil e cordialmente autorizou o uso delas no intuito de ilustrar esta aula. Muito obrigado amigo !!!

A planta em questão é uma obra-prima da natureza. Uma planta que utiliza refinadas técnicas de engenharia para atrair polinizadores e lograr a propagação da espécie. Uma planta exótica e atraente que não possuo mas que algum dia terei em minha coleção. É a Coryanthes leucocorys…

 

… a fantástica orquídea-morcego

 

 

Antes de falar da orquídea tema desta aula, aproveito a ocasião para passar algumas informações sobre a comentada região equatoriana.

Loja é uma das 24 províncias que compõem a República do Equador, localizada na região sul do país, na divisa com o Peru.

Possui as mais baixas altitudes da região Interandina do Equador, o que propicia a existência de climas extremos e a concentração de todos os ecossistemas do país. Por este fato possui uma farta e diversificada fauna e flora, sendo um interessante centro de pesquisas, muito procurado por biólogos e naturalistas de todo o mundo.

 

Ciudad de Loja, capital da província de Loja

Foto retirada da internet – Site:
https://portaljoven.wordpress.com/2011/01/17/ambiente-colonial-de-la-ilustre-cuidad-de-loja/

 

 

No passado as terras onde hoje fica Loja foram habitadas pelos Incas, sob o comando de Túpac Yupanqui, um dos últimos governantes deste império, isto provavelmente entre os anos de 1471, quando assumiu o poder, e 1493, ano de sua morte.

 

Resultado de imagem para Túpac Yupanqui

Túpac Yupanqui

Imagem retirada da internet – Site:
http://www.museuegipci.com/en/courses-and-activities/tupac-yupanqui/

 

 

Enfim, mais um lugar paradisíaco e agraciado pela natureza. Mais um destino a incluir no rol dos tantos lugares que desejo conhecer algum dia.

 

E agora sim vamos ao estudo da planta do dia, começando como sempre por algumas generalidades sobre o gênero em questão.

 

Coryanthes (abreviatura: Crths.), é um gênero botânico pertencente à família Orchidaceae, proposto em 1831 por William Jackson Hooker (1785 – 1865), quando descreveu a Coryanthes maculata, planta “tipo” do gênero.

 

Hooker foi um brilhante botânico inglês, especializado em micologia e criptogâmicas (plantas que possuem os órgãos sexuais ocultos ou pouco aparentes).

 

Resultado de imagem para William Jackson Hooker

William Jackson Hooker

Imagem retirada da internet – Site:
en.m.wikipedia.org/wiki/File:William_Jackson_Hooker,_1851.jpg

 

 

Hooker se celebrizou como diretor dos Reais Jardins Botânicos de Kew, localizados na periferia sudoeste de Londres, os quais dirigiu de 1841 até a data de seu falecimento. A ele se deve a construção da famosa Palm House, que durante muitas décadas foi a maior estufa do Mundo.

 

Resultado de imagem para Palm House – Royal Botanic Gardens, K

Palm House – Royal Botanic Gardens, Kew

Foto retirada da internet – Site:
www.youtube.com/watch?v=ioG_Vfh0Kxw

 

 

Por mais de 20 anos Hooker foi Professor Regius de Botânica na Universidade de Glasgow, na Escócia, e ficou mundialmente conhecido por suas inúmeras obras de relevante valor científico.

Por suas importantes contribuições para a ciência, em 1836 foi condecorado com o título honorífico britânico de Cavaleiro, passando a ser chamado de sir William Hooker.

 

O nome Coryanthes deriva da latinização de duas palavras gregas: kórys, que significa “capacete”; e antheos, que significa “flor”, referindo-se à forma do labelo.

São popularmente conhecidas pelos nomes ”bolsa de pastor”, “orquídea balde”, “orquídea morcego”, “flor de capacete” e “orquídea astronauta”. Aliás, apelidos é o que não faltam para as espécies deste gênero, cujas exóticas flores podem ser comparadas à figura de um balde, de um barco, de um morcego, ou até a de um órgão sexual masculino.

 

Coryanthes speciosa

Foto retirada da internet – Site:
http://www.rv-orchidworks.com/orchidtalk/orchids-other-genera-bloom/30261-coryanthes-speciosa.html

 

 

Existem perto de 50 espécies neste maravilhoso  gênero, que podem ser encontradas na extensa área que se estende desde o sul do México até a região sudoeste do Brasil, com grande presença na região amazônica.

 

Coryanthes leucocorys-ocorrencia GENERO JPG

Coryantehs  –  Ocorrência

Imagem retirada da internet – Site:
http://www.imagui.com/a/imagenes-de-el-mapa-de-las-3-americas-cyEao8Exo

 

 

Apenas como curiosidade, as flores deste gênero são as mais pesadas dentre todas as flores das plantas da família Orchidaceae. Como exemplo, uma Coryanthes bruchmuelleri, oriunda das florestas tropicais da Amazônia brasileira, peruana, colombiana e venezuelana, pode passar de 100 gramas.

 

Coryanthes bruchmuelleri

Foto retirada da internet – Site:
http://orchidspecies.com/corybruchmeulleri.htm

 

 

São plantas de hábito epífita e que produzem grandes flores, sempre em pares (duas flores em cada haste floral).

A inflorescência de Coryanthes brota da base do pseudobulbo e cresce de forma pendente. Portanto, é mandatório que o cultivo destas plantas seja feita de forma suspensa.

 

Coryanthes leucocorys - Coryanthes boyi

Coryanthes boyi 

Foto retirada da internet – Site:
http://www.orchid-nord.com/c_page/coryanthes_boyi/c_boy8.htm

 

 

Ainda, como visto em aulas anteriores, Coryanthes pertence a subtribo Stanhopeinae, juntamente com os gêneros Acineta, Archivea, Braemia, Cirrhaea, Embreea, Gongora, Horichia, Houlletia, Kegeliella, Lacaena, Lueckelia, Lueddemannia, Paphinia, Polycycnis, Schlimmia, Sievekingia, Soterosanthus, Stanhopea, Trevoria, Vasqueziella e seus híbridos.

 

As espécies de Coryanthes, possuem um espetacular artifício para atrair polinizadores e fixar suas polínias. Junto à base da coluna de suas flores há dois cornos que funcionam como bicas, de onde brota um líquido doce e pegajoso que pinga em seu labelo em forma de balde (ver figura abaixo). Os insetos, principalmente as formigas e as abelhas, consomem este líquido até ficar embriagados e cair dentro desse “balde”, onde ficam encharcados do líquido grudento. Para fugir da armadilha, o único caminho é uma estreita e apertada abertura sob a antera e o estigma, obrigando o inseto a passar pelas polínias que se fixam em seu corpo. Depois, é só torcer para que os insetos polinizem outra flor.

 

Coryanthes leucocorys - armadilha

Detalhe do líquido pegajoso gotejando sobre o labelo em forma de balde

Foto retirada da internet – Site:
http://www.plantascarnivorasbr.com/forum/viewtopic.php?f=35&t=10438

 

 

Ainda falando dos polinizadores, as Coryanthes são polinizadas por abelhas masculinas da tribo Euglossini, da família Apidae. As abelhas desta tribo são conhecidas como abelhas-das-orquídeas. São facilmente reconhecidas por conterem uma pigmentação metalizada, geralmente em tons de verde e/ou azul.

 

Coryanthes leucocorys - abelha

Abelhas  Euglossa tridentata  sobre flor de  Coryanthes speciosa

Foto retirada da internet – Site:
https://www.flickr.com/photos/hickatee/5907451734/

 

 

Todavia neste tema, as plantas deste gênero vivem associadas a colônias de formigas do gênero Azteca, em perfeita simbiose. A flor desta orquídea secreta continuamente um néctar viscoso e açucarado que atrai estas formigas, que rapidamente constroem seu formigueiro em torno da planta. As formigas se beneficiam do alimento açucarado, e a planta da proteção oferecida pelo formigueiro, e da possibilidade destas formigas se tornarem polinizadores. Fica a dica para aqueles que tiverem a sorte de encontrar estas plantas na natureza… cuidado com estas formigas, dizem que a picada delas é bem dolorosa.

 

Coryanthes leucocorys - formiga azteca

Formigas  Azteca alfari  expulsando invasor

Foto retirada da internet – Site:
https://www.hypeness.com.br/2013/08/fantasticas-fotos-macro-de-formigas-lutando-entre-si/

 

 

O famoso e genial naturalista britânico Charles Darwin (1809 – 1882), já descrevia algumas experiências e estudos envolvendo plantas do gênero Coryanthes, em seu livro “On the Various Contrivances by Which British and Foreign Orchids Are Fertilised by Insects; And on the Good Effects of Intercrossing”. Na ocasião, 150 anos atrás, ele batizou esta odisseia como “a batalha das abelhas humildes”. O único erro de Darwin foi afirmar que a polinização era feita por abelhas fêmeas.

 

Coryanthes leucocorys - Livro Darwin JPG

On the Various Contrivances by Which British and Foreign Orchids Are Fertilised by Insects; And on the Good Effects of Intercrossing  –  Charles Darwin

Imagem retirada da internet – Site:
www.bookdepository.com/On-Various-Contrivances-by-Which-British-Foreign-Orchids-are-Fertilised-by-Insects-Charles-Darwin/9781108027151

 

 

Muitas pessoas erroneamente acreditam que as espécies do gênero Coryanthes são plantas carnívoras. Isto se deve ao fato do labelo, com aparência de bolsa, ser parecido com o formato típico das plantas do gênero Nepenthe, da família Nepenthaceae. Estas plantas possuem folhas modificadas em formato de jarro, e estas sim, são carnívoras, alimentando-se de insetos, aracnídeos e até de pequenos passarinhos. Não existem orquídeas carnívoras!

 

Nepenthes alata  / Nepenthes alata

Nepenthes alata  (planta carnívora)

Imagem retirada da internet – Site:
http://www.onlineplantguide.com/Plant-Details/1758/

 

 

E agora, finalmente, vamos ao estudo da orquídea do dia, a espetacular Coryanthes leucocorys, descrita em 1891 pelo renomado botânico inglês Robert Allen Rolfe (1855–1921).

 

Rolfe foi o primeiro curador do herbário do Royal Botanic Gardens of Kew, fundou a revista “The Orchid Review” e publicou muitos artigos sobre orquídeas.

The Orchid Review” com certeza é a revista mais antiga dedicada às orquídeas, e provavelmente a mais influente do mundo. Adquirida em 1993 pela RHS (Royal Horticultural Society), esta revista é publicada e distribuída trimestralmente.

 

Revista  “The Orchid Review

Imagem retirada da internet – Site:
www.rhs.org.uk/about-the-rhs/publications/magazines/the-orchid-review

 

 

O gênero Allenrolfea, pertencente à família Amaranthaceae, foi nomeado em sua homenagem pelo botânico alemão Carl Ernst Otto Kuntze (1843 – 1907).

 

Resultado de imagem para ALLENROLFEA OCCIDENTALIS

Allenrolfea occidentalis

Foto retirada da internet – Site:
commons.wikimedia.org/wiki/File:Allenrolfea_occidentalis_2.jpg

 

 

O nome desta espécie, leucocorys, é uma palavra composta derivada do grego: leukos, que significa “branco”, e kórys, que como visto no início desta aula significa “capacete”. A intenção do autor é evidente. Uma referência ao hipoquílio (parte terminal do labelo) que tem formato de capacete e que nesta espécie é da cor branca.

 

Trata-se de uma orquídea de hábito epífita, umbrófila (*1), e originária de florestas tropicais da Colômbia, Equador e Peru, em elevações que variam desde o nível do mar até 1400 metros de altitude.

(*1) Plantas umbrófilas são aquelas que gostam de lugares sombrios e úmidos. De forma contrária, plantas que gostam de alto índice de luminosidade, vivendo a pleno sol, são chamadas de heliófitas.

 

Coryanthes leucocorys-ocorrencia ESPECIE JPG

Coryanthes leucocorys  –  Ocorrência

Imagem retirada da internet – Site:
https://www.todamateria.com.br/paraguai/

 

 

Os principais centros de dispersão desta planta são:

1 –Sucumbíos:  província do Equador localizada na região nordeste do país.

2 – Moyobamba:  província do Peru localizada na região sul de San Martín.

São duas regiões pertencentes a região da Amazônia, de clima tropical, com longos períodos de chuvas abundantes e sem temporada de inverno.

 

Coryanthes leucocorys - Centros dispersao JPG

Coryanthes leucocorys  –  Centros de dispersão

Imagem retirada da internet – Site:
https://descomplica.com.br/blog/geografia/resumo-amazonia-brasileira/

 

 

Planta de hábito epífita e crescimento simpodial, com rizoma curto e robusto, e com raízes cobertas por tecido velame. Seus pseudobulbos são bifoliados, apresentam formato cônico, lisos inicialmente tornando-se profundamente sulcados longitudinalmente com o passar do tempo. Estes bulbos são distribuídos de forma compactada sobre o rizoma, e apresentam, em média, 7cm de comprimento.

As folhas nascem do ápice dos pseudobulbos. São finas, largas e de formato elíptico, com superfície bem enervurada e de coloração verde escuro. Em termos dimensionais podem passar de 30cm de comprimento.

As inflorescências são magníficas. Longas hastes pendentes de aproximadamente 30cm de comprimento, que brotam da base dos pseudobulbos, suportando normalmente 2 magníficas flores ressupinadas e muito perfumadas, com diâmetro variando entre 10 e 12cm.

As flores desta planta estão entre as mais complexas da família Orchidaceae.

Duas grandes sépalas laterais que se dobram para trás como as asas de um morcego, e que se sobrepõem a pequena sépala dorsal e as minúsculas pétalas. Nestas estruturas, todas de consistência membranácea,  predomina uma tonalidade pálida de marrom. O labelo é muito grande, carnoso e rígido, podendo ser dividido em três partes:

  • Epiquílio: é a parte em forma de “balde” e que apresenta coloração avermelhada.
  • Mesoquílio: porção média do labelo, de coloração esbranquiçada.
  • Hipoquílio: parte terminal do labelo, que apresenta forma de “capacete”, e também de cor branca.

Na base da coluna da flor existem dois cornos por onde brota a já citada secreção pegajosa.

 

Coryanthes leucocorys - partes da flor JPG

 Partes da flor de  Coryanthes leucocorys

Imagem retirada da internet – Site:
https://www.wikidata.org/wiki/Q5173680

 

Realmente uma planta espetacular e totalmente diferente dos padrões estéticos normais que conhecemos para orquídeas, quando normalmente pensamos em Cattleya, Phalaenopsis, Cymbidium, Dendrobium, Vanda e outros gêneros mais difundidos.

 

Por ser originária de uma pequena região geográfica, e pela ação predatória do homem, com a coleta irregular de exemplares para fins ornamentais e comerciais, Coryanthes leucocorys é uma das tantas orquídeas pertencentes ao temido rol das plantas com alto risco de extinção. Esta lista é gerada pela CITES (inglês: Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora –  português: Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção).

CITES  –  Logotipo

Imagem retirada da internet – Site:
https://mondodeirettili.blogspot.com/2012/04/cites-che-cose.html

 

A seguir cito algumas dicas para o cultivo desta planta:

 

  • A melhor forma de cultivo é fixada em árvores, ou então em cascas, troncos ou galhos, e com muitas raízes expostas.
  • Se sua opção for cultivo em vaso ou caixeta, então utilize um substrato confeccionado com partes iguais de casca de pinus, carvão vegetal e esfagno. Como já mencionado no início desta aula, é fundamental que o cultivo seja de forma suspensa.
  • A Coryanthes leucocorys não suporta raízes encharcadas. Portanto, se você optou por cultivo em vasos, utilize recipientes baixos, com pouco substrato e rápida drenagem.
  • Sugiro cultivo com sombreamento em torno de 60%.
  • Esta orquídea gosta de calor. Sugiro cultivo em temperaturas entre 15 e 40 graus. É importante protegê-la do frio nos dias mais rigorosos do inverno.
  • Pode ser dividida como quase todas as orquídeas de crescimento simpodial, cortando o rizoma e deixando pelo menos 3 ou 4 bulbos em cada parte da divisão.
  • Não esqueça de adubar periodicamente.

 

Em seu habitat floresce entre os meses de junho e setembro, e sua floração dura em torno de 5 dias.

 

A seguir relaciono algumas imagens ilustrativas:

 

 

Começo com as citadas fotos de meu amigo Favian:

 

 

Coryanthes leucocorys - Orquideas San Miguel - Equador - set2018 1

Coryanthes leucocorys

Propriedade e créditos fotográficos: Favian Apolo – Orquideas San Miguel (Equador)

 

 

 

 

Coryanthes leucocorys - Orquideas San Miguel - Equador - set2018 2

Coryanthes leucocorys

Propriedade e créditos fotográficos: Favian Apolo – Orquideas San Miguel (Equador)

 

 

 

 

Coryanthes leucocorys - Orquideas San Miguel - Equador - set2018 3

Coryanthes leucocorys

Propriedade e créditos fotográficos: Favian Apolo – Orquideas San Miguel (Equador)

 

 

 

 

E agora mais algumas imagens, estas retiradas da internet:

 

 

 

 

Resultado de imagem para Coryanthes leucocorys

Foto retirada da internet – Site:
pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Coryanthes_leucocorys_Orchi_02.jpg

 

 

 

Resultado de imagem para Coryanthes leucocorys

Foto retirada da internet – Site:
http://hasbrouck.asu.edu/neotrop/plantae/taxa/index.php?taxauthid=1&taxon=26096&clid=1

 

 

 

Resultado de imagem para Coryanthes leucocorys

Foto retirada da internet – Site:
https://orchid.unibas.ch/index.php/en/?option=com_content&view=article&id=3&SearchResultID=600539/Coryanthes/leucocorys/Rolfe_Robert_Allen&setLang=en-GB

 

 

 

Resultado de imagem para Coryanthes leucocorys

Foto retirada da internet – Site:
http://turrusta.blogspot.com/2011/04/coryanthes-crths-leucocorys.html

 

 

 

Resultado de imagem para Coryanthes leucocorys

Foto retirada da internet – Site:
https://lab.troymeyers.com/flasking/photo.php?id=2850

 

 

 

Resultado de imagem para Coryanthes leucocorys

Foto retirada da internet – Site:
orchid.unibas.ch/phpMyHerbarium/documents/37/600537m.jpg

 

 

 

Botão floral de  Coryanthes leucocoris

Foto retirada da internet – Site:
http://www.orchidboard.com/community/catasetum-and-stanhopea-alliance/54033-coryanthes-leucocorys.html

 

 

 

 

 

IMAGENS: fonte pesquisa GOOGLE

Este blog é dedicado a pessoas que, como eu, amam e cultivam orquídeas. Meu objetivo com este trabalho é conhecer pessoas, divulgar e trocar informações sobre estas plantas.

É uma atividade amadora e sem fins lucrativos.

Se você encontrar alguma foto de sua autoria neste blog, e desejar a remoção, por favor envie um e-mail para  que a mesma seja retirada imediatamente. Obrigado.

 

IMAGES: GOOGLE search

This blog is dedicated to people who, like me, love and cultivate orchids. My goal with this job is meeting people, disseminate and exchange information on these plants.

It’s a non-profit non-professional activity.

If you find any of your images in this blog, and want it to be removed, please send me an email that I’ll do it immediately. Thank you.

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

4 pensamentos sobre “Coryanthes leucocorys

  1. Esta orquídea parece um alienígena! Estas muito exóticas não me chama muito a atenção. A aula como sempre é impecável e super didática. Parabéns Pablo por nos apresentar esta diferente espécie de orquídea 😍😍😍

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s