Sophronitis cernua

 

Pequeno gênero composto por 10 plantas desmembradas do gênero Cattleya.

Em termos etimológicos, o nome deste gênero deriva do grego, Sophron, que significa “pequeno”, “modesto”, em referência ao tamanho desta planta comparado com as demais Cattleyas.

Possuem como principais características o porte pequeno, os pseudobulbos agrupados e a coluna com 8 políneas. O colorido de suas flores é predominantemente vermelho e suas variedades podem possuir tonalidade rosa, amarela, e raramente branca (alba).

São plantas de crescimento simpodial e hábito epífita, ocasionalmente rupícolas, e originárias das regiões nordeste, sul e sudeste do Brasil, norte da Argentina e leste do Paraguai.

A Orquídea do dia é a Sophronitis cernua. Maravilhosa planta que tem lugar de destaque em minha coleção. Sou fascinado por esta orquídea.

Foi descrita em 1838 pelo botânico inglês John Lindley (1799 – 1865).

O nome desta espécie deriva do latim: cernuus, que significa “rastejante”, “prostado”, em referência a forma vegetativa da planta (rastejante).

Esta planta habita em matas ribeirinhas da Serra do Mar, na faixa que se estende desde o nordeste brasileiro até o norte da Argentina. Existem registros desta planta nos estados de Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Vegeta de forma epífita, fixada em troncos de árvores, ou rupícula, sobre pedras de granito forradas de musgo, sempre em baixas altitudes (nível do mar até 600 metros). Tem preferência por matas abertas e ralas, com bastante luminosidade.

Anteriormente esta planta foi classificada como Cattleya cernua;  Cattleya pterocarpa; Epidendrum humile; Sophronia cernua; Sophronia modesta; Sophronia pterocarpa; Sophronitis cernua var. alagoensis; Sophronitis cernua var. albiflora; Sophronitis cernua var. endsfeldzii; Sophronitis cernua var. litoranea; Sophronitis cernua var. mineira; Sophronitis hoffmannseggii; Sophronitis isopetala; Sophronitis modesta; Sophronitis nutans e Sophronitis pterocarpa.

Planta de pequeno porte. Possui rizoma compacto com pequenos pseudobulbos ovais, roliços, alongados e monofoliados. As folhas são grossas, carnudas e côncavas.

CURIOSIDADE:

A inflorescência surge junto com as folhas novas. A folha cresce envolvendo os botões, como se fosse uma espata e, quando esta se abre, os botões também já estão prontos para abrir.

Ilustro este fato com uma sequência de magníficas imagens de Sergio Oyama Junior, profissional que admiro muitíssimo. Não só por seu grande conhecimento, mas também por suas fantásticas fotos, um espetáculo a parte. Fotógrafo esplêndido.

Sergio é graduado em Biologia e é mestre e doutor em Bioquímica pela UNICAMP. Desde 2009 dedica-se à pesquisa e ao cultivo de orquídeas em apartamento. A partir de 2011, começou a compartilhar os resultados de suas experiências no blog Orquídeas no Apê. Um show de blog. Recomendo !!!

Além do citado blog, Sergio tem escrito artigos sobre o cultivo de orquídeas e dado consultoria para a elaboração de matérias publicadas em revistas como Casa Vogue, Casa e Jardim, Orquídeas da Natureza, Como Cultivar Orquídeas, jornais O Estado de São Paulo e O Globo Niterói.

sophronitis-cernua-sergio-1

sophronitis-cernua-sergio-4

sophronitis-cernua-sergio-2

Resultado de imagem para sergio oyama junior

Sergio Oyama Junior

As hastes florais são curtas, medem algo em torno de 1,5cm, e suportam entre 2 e 8 lindas flores de aproximadamente 2cm de diâmetro.

A cor das flores varia muito. Normalmente são de cor vermelha e com labelo manchado de amarelo. Porém, existem exemplares onde predomina o alaranjado ou o amarelo (var. alba). Na crista do labelo, ainda, aparecem duas manchas de cor rosa. Apesar do tamanho diminuto das flores, que caracterizam uma mini-orquídea, estas são acima da média considerando a proporcionalidade como o resto da planta.

Não tem perfume. A beleza das formas e as cores quentes desta planta são mais que suficientes para atrair polinizadores, que geralmente são beija-flores.

Resultado de imagem para beija flor gif animado

Planta fácil de cultivar. Seguem algumas dicas:

  • A melhor forma de cultivar a Sophronitis cernua é fixada em árvores, ou então em cascas, troncos ou galhos, e com muitas raízes expostas.
  • Se sua opção for cultivar esta planta em vaso ou caixeta, então utilize um substrato confeccionado com partes iguais de casca de pinus, carvão vegetal e pedra brita.
  • Sugiro cultivo com sombreamento em torno de 50%.
  • Suporta temperaturas entre 10 e 35 graus. Sugiro protegê-la do frio nos dias mais rigorosos.
  • Precisa de boa drenagem e boa ventilação. Diminuir as regas no inverno.

Floresce no outono e cada floração dura em média 20 dias.

Seguem algumas imagens ilustrativas:

sophronitis-cernua-20

sophronitis-cernua-2

sophronitis-cernua-3

sophronitis-cernua-4

sophronitis-cernua-5

sophronitis-cernua-6

sophronitis-cernua-7

sophronitis-cernua-8

sophronitis-cernua-9

sophronitis-cernua-10

sophronitis-cernua-11

sophronitis-cernua-19

sophronitis-cernua-12

sophronitis-cernua-17

sophronitis-cernua-14

sophronitis-cernua-13

sophronitis-cernua-16

sophronitis-cernua-18

IMAGENS: fonte pesquisa GOOGLE

Se você encontrar alguma foto de sua autoria neste blog, e desejar a remoção, por favor envie um e-mail para  que a mesma seja retirada imediatamente. Obrigado.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Sophronitis cernua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s