Cattleya forbesii

Hoje vou falar de mais uma orquídea do gênero Cattleya, o mais valorizado, cultivado e admirado de toda a família Orchidaceae.

Relembrando, o nome deste gênero é uma homenagem a Sir William Cattley, horticulturista inglês do século XIX.

A distribuição geográfica das Cattleyas ocorre desde o hemisfério norte (México), passando pela América Central até a América do Sul, onde ocorre em maior número de espécies. No total este maravilhoso gênero tem em torno de 120 espécies, sendo a grande maioria originária do Brasil, podendo ser encontrados em todos os estados.

A planta do dia é um espetáculo. Mais uma brasileirinha, a Cattleya forbesii. Uma planta fascinante com flores lindíssimas, e que é popularmente conhecida como “orquídea bico-de-chaleira”, pelo formato de seu labelo.

Imagem relacionada

Esta orquídea foi descoberta e divulgada em 1790, pelo botânico brasileiro Frei José Mariano da Conceição Velloso (1742 – 1811), responsável pelo estudo “Florae Fluminensis”.

Resultado de imagem para Frei José Mariano da Conceição Velloso

Na época, o Frei Velloso deu o nome de Epidendrum pauper a sua descoberta. Entretanto seu trabalho somente foi publicado em 1825.

Neste meio tempo, e junto com outras plantas, Mr. Forbes, colecionador inglês, enviou alguns exemplares desta orquídea coletadas nas redondezas do Rio de Janeiro, ao instituto da Royal Horticultural Society, na Inglaterra.

O material foi enviado para John Lindley que, em 1821 a descreveu e a batizou em honra e Forbes como Cattleya forbesii.

Se pudesse eu mudava o nome desta planta para Cattleya vellosensis. Ficaria muito melhor.

Aproveitando que estamos falando em nomenclatura, anteriormente esta planta foi classificada como Cattleya forbesii f. aurea; Cattleya forbesii var. viridiflora; Cattleya fulva; Cattleya isopetala; Cattleya pauper; Cattleya vestalis; Maelenia paradoxa; Epidendrum forbesii e Epidendrum pauper.

Esta planta é natural da região litorânea da Mata Atlântica do sudeste e sul do Brasil. Pode ser encontrada vegetando de forma epífita ou eventualmente rupícola, principalmente em terrenos alagadiços próximos a rios e lagos, em altitudes entre o nível do mar e 300 metros.

CURIOSIDADE 1:

Esta planta é muito comum em Cabo Frio e Angra dos Reis, ambos no Rio de Janeiro, Ilha Comprida e região de Santos, em São Paulo, Florianópolis e norte do Rio Grande do Sul. Como curiosidade, esta é a única espécie do gênero Cattleya que pode ser encontrada no estado do Paraná, principalmente nas divisas do estado com São Paulo e com Santa Catarina, e na região de Morretes, perto da Estrada da Graciosa.

Resultado de imagem para parana litoral

É uma planta de porte médio. Rizoma robusto com raízes velamentosas, suportando pseudobulbos bifoliados de aproximadamente 20cm de comprimento e em forma de cana, e protegido por brácteas. As folhas são grossas, coriáceas e elípticas, e tem em média 12cm de comprimento.

A inflorescência tem em média 10cm de comprimento e suporta entre 2 e 6 magníficas flores de diâmetro entre 10 e 12cm, suave e delicadamente perfumadas.

Falar das cores destas flores não é tarefa fácil. Existem muitas variedades: coerulea, verde, albina e aurea, entre outras, cada uma com seus coloridos. Sépalas e pétalas de cor verde, marrom, amarelo ou rosa, eventualmente pintalgadas. Labelo trilobado branco na parte externa e amarelo com estrias vermelhas na parte interna. Um verdadeiro show da natureza.

CURIOSIDADE 2:

Resultado de imagem para dna 3d gif

Em termos genéticos, a Cattleya forbesii tem sido muito utilizada na busca das estrias vermelhas do labelo, mas esta característica é bastante recessiva. As características dominantes em cruzamentos envolvendo esta orquídea são o tamanho das flores e o formato do labelo.

É uma planta muito fácil de cultivar. Seguem algumas dicas:

  • A melhor forma de cultivo é fixada árvores, ou então em cascas, troncos ou galhos, e com muitas raízes expostas.
  • Se sua opção for cultivar esta planta em vaso ou caixeta, então utilize um substrato confeccionado com partes iguais de casca de pinus, carvão vegetal e pedra brita.
  • Como a maioria das Cattleyas, sugiro cultivo com sombreamento em torno de 50%.
  • Suporta temperaturas entre 5 e 35 graus. Sugiro protegê-la do frio nos dias mais rigorosos do inverno.
  • Precisam de muita umidade e rápida drenagem da água.
  • Esta planta está acostumada a uma variação de cerca de 10 graus entre a temperatura do dia e a da noite. Condição esta muito fácil de ser ofertada pelos cultivadores das regiões sul e sudeste do Brasil.
  • E, ainda, recomendo cultivo em lugar com ótima ventilação. A Cattleya forbesii é muito susceptível ao ataque de ácaros e cochonilhas.

Floresce normalmente duas vezes por ano, no verão e no inverno, e cada floração dura em média 20 dias. Recomendo.

Seguem algumas fotos:

cattleya-forbesii-1

cattleya-forbesii-2

cattleya-forbesii-4

cattleya-forbesii-5

cattleya-forbesii-6

cattleya-forbesii-7

cattleya-forbesii-8

cattleya-forbesii-9

cattleya-forbesii-10

cattleya-forbesii-11

cattleya-forbesii-12

cattleya-forbesii-13

cattleya-forbesii-14

cattleya-forbesii-16

cattleya-forbesii-17

cattleya-forbesii-18

cattleya-forbesii-20

IMAGENS: fonte pesquisa GOOGLE

Se você encontrar alguma foto de sua autoria neste blog, e desejar a remoção, por favor envie um e-mail para  que a mesma seja retirada imediatamente. Obrigado.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Cattleya forbesii

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s