Hadrolaelia pumila

Hadrolaelia é um gênero botânico pertencente à família Orchidaceae, composto por 22 espécies de hábito epífita e crescimento simpodial. Todas estas plantas são originárias do sul da Bahia e região sudeste do Brasil, onde são encontradas em altitudes compreendidas entre 600 e 1200 metros, em matas sombrias e alagadiças com alto teor de umidade.

Em termos de etimologia, Hadrolaelia é uma palavra composta de origem grega: hadrós, que significa “sólido”, “espesso” + laelia, gênero anterior ao qual pertenciam estas plantas. Uma provável referência ao tamanho grande das flores em relação ao resto da planta.

Antes classificadas como Laelias e Cattleyas, as Hadrolaelias se diferenciam, entre outras características, pelo porte da flor em relação à planta, e por possuir 8 polínias.

A planta do dia é a Hadrolaelia pumila, originária de Minas Gerais e Espírito Santo, que pode ser encontrada vegetando nos biomas  Mata Atlântica e Cerrado, de forma epífita, em troncos de árvores localizadas entre 600 e 1500 metros de altitude.

O nome desta espécie deriva do latim: pumilus, que significa “anão”, em referência ao pequeno tamanho da planta.

Já foi classificada como Bletia pumila; Cattleya marginata; Cattleya pinelii; Cattleya pinelii var. marginata; Cattleya pumila; Laelia praestans var. noblis; Sophronitis pumila e Laelia pumila.

Assim como a Hadrolaelia alaorii, já estudada, a pumila também é muito apreciada por orquidófilos, pela beleza da flor e pelo porte pequeno da planta.

Possui rizoma compacto com pseudobulbos pequenos e monofoliares. Hastes florais de aproximadamente 10cm, suportando normalmente duas flores com 7 a 11cm de diâmetro, e suavemente perfumadas. Possui pétalas mais largas que as sépalas.

Existem diversas variedades, como alba, semi-alba e coerulea.  Mas, falando da  flor “tipo”, pétalas e sépalas são de cor rosa, e com labelo da mesma cor mas com anel púrpura bem definido na parte frontal. O tubo do labelo normalmente é branco.

É fácil de cultivar. Seguem algumas dicas:

  • Pode ser cultivada em cascas ou troncos de árvore, ou então em vasos de plástico e caixetas de madeira.
  • Na segunda opção, recomendo o uso de um substrato confeccionado com partes iguais de casca de pinus, pedra brita e carvão vegetal. Por ser originária de regiões muito úmidas, sugiro a inclusão de um pouco de esfagno no substrato.
  • Como sempre recomendo uma boa drenagem e ventilação.
  • Sugiro ainda um cultivo com 50% de sombreamento e temperaturas entre 10 e 40 graus.

Um dos clones mais famosos da Hadrolaelia pumila é o “Black Diamond”, que encanta pela boa forma das flores.

A Hadrolaelia pumila floresce normalmente entre fevereiro e abril, e a floração dura em média 15 dias.

Não é uma orquídea cara, apesar de ser uma planta de crescimento lento, em que o tempo estimado para geração da primeira floração chega a 10 anos.

Seguem algumas fotos:

hadrolaelia-pumila3

hadrolaelia-pumila4

hadrolaelia-pumila5

hadrolaelia-pumila6

hadrolaelia-pumila7

hadrolaelia-pumila8

Hadrolaelia pumila “tipo”

hadrolaelia-pumila-var-alba1

Hadrolaelia pumila var. alba

hadrolaelia-pumila-var-semi-alba1

Hadrolaelia pumila var. semi-alba

hadrolaelia-pumila-var-coerulea1

Hadrolaelia pumila var. coerulea

hadrolaelia-pumila-black-diamond

Hadrolaelia pumila “Black Diamond”

IMAGENS: fonte pesquisa GOOGLE

Se você encontrar alguma foto de sua autoria neste blog, e desejar a remoção, por favor envie um e-mail para  que a mesma seja retirada imediatamente. Obrigado.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Hadrolaelia pumila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s